25 de mai de 2017

Só faz uma semana...



Daí eu conheci alguém, que preferiu deixar alguém pra ficar com outro alguém que de repente era eu!
Tá confuso isso? Não consigo nem explicar...

Eu digo que o passado sempre volta e faz morada, novamente me decepcionou de tal forma que não sei se consigo superar. Disse com todas as letras que era melhor colocar um ponto final em tudo porque já não sei se estou cansada de viver tudo isso de novo ou quero viver tudo isso de novo só por estar acostumada a não ter.

Foi estranho, foi difícil, mas descobri o que eu não quero pra minha vida, sempre digo que é mais importante ter certeza do que não quero do que saber o que quero.
Chorei, sofri, te procurei algumas vezes, mas de repente alguém diferente chegou e foi tomando o espaço, falando tudo o que eu sempre gostei de escutar.

Um momento tenso, desencontros, desapegos, desvantagens, um corte, uma dor, uma agulha e Euenstein estava quase pronta na mesa de cirurgia, onde não apenas fiz reparos em mim, mas permiti que trocassem tudo por dentro também.

Me vi iludida mesmo que sem querer por alguém que chegou e devagar foi tomando espaço "despacito", que foi me conquistando com brincadeiras cheias de verdade, pelo menos era o que parecia pra mim.

Uma semana, sim, apenas uma e esqueci de tentar esquecer porque não preciso mais tentar. Não posso negar que ainda mexeu comigo hoje quando tentou se aproximar, mas não cheguei a ter uma recaída, afinal, por mais que ainda não seja real, eu não preciso mais tentar te esquecer...

Uma semana foi suficiente pra eu deixar de te querer.

17 de mai de 2017

Estranho jeito de amar



Sei que estranhamente nada sei!

Não sei porque presto tanta atenção em coisas insignificantes e amo surpresas inesperadas, faço de tudo para agradar, mas sem querer ou sem motivo aparente ataco as pessoas que amo, fazendo com que elas se afastem de mim por tempo indeterminado.
Se eu te ataquei, me perdoa... devo te amar.

E esse estranho jeito me coloca em muitas ciladas.
As vezes minto pra razão, outras vezes para o coração e assim vou levando a vida aos trancos e barrancos, sendo atordoada por minhas idéias cheias de ideais nada lógicos e racionais, sou um poço de surpresas, como diz a música dos Raimundos "complicada e perfeitinha..."

Não que eu seja perfeita em toda a minha imperfeição, mas também não sou tão complicada na descomplicação que vivo, cheia de regras, cheia de linhas tênues que eu mesma acabo quase caindo da separação que há entre elas.

Uma vez, um amigo me disse que eu tenho uma regra até para não ter regras e que eu sou metódica demais, já ouvi tanta gente falando coisas a meu respeito que não sei se ainda me importo com a quantidade de rótulos que recebo.

O fato é que em todo tempo,  estranhamente.
E sou grossa com quem amo, não sei fazer as coisas com jeitinho. Fico brava com pouco e feliz com menos ainda. Não tenho medo de ir até o fim, mas morro de medo do fim e pra não me magoar, acabo agindo com esse estranho jeito de amar, que nem sempre adianta, mas me mantém de pé!